FMPortugal.net

Tudo sobre o Football Manager em Português!

Ones to Watch FM 19 – Médios Defensivos

Bem-vindos à rubrica Ones to Watch FM 19. Aqui pretendemos dar a conhecer os jovens jogadores que, para além de poderem entrar diretamente nos nossos 11, podem ter as maiores margens de progressão dentro do jogo, ajudando assim os nossos treinadores virtuais a alcançar outros patamares.

 

Weston McKennie, 20 anos (FC Schalke 04)

Num país conhecido por dar oportunidades a jovens jogadores, o Schalke 04 é provavelmente o clube que mais contribui para essa reputação. Possuidor de uma das melhores academias de futebol a nível mundial, a Knappenschmiede, e com um raio de observação de jogadores só ao alcance dos melhores é esta combinação que faz com que o Schalke seja tão preponderante nos escalões de formação do futebol alemão, tendo dado ao mundo nomes como Mesut Özil, Manuel Neuer, Julian Draxler e Leroy Sané. No entanto é um jovem americano que tem dado que falar nos últimos tempos, Weston McKennie.

No clube de Gelsenkirchen desde 2016, McKennie fez grande parte da sua formação no FC Dallas, eventualmente recusando um contrato profissional com o clube da MLS e rumou para a Alemanha. Após várias exibições de excelente qualidade na sua primeira época foi-lhe oferecido um contrato profissional de cinco anos e estreou-se pela equipa principal do Schalke em 2017, fazendo até hoje 34 jogos oficiais com a camisola dos Königsblauen.

Versátil e capaz de jogar no meio do terreno ou a defesa central, é na posição de 6 que se demonstra mais apto. Capaz de destruir jogo à frente da sua defesa, o jovem americano tem também a capacidade atlética e técnica para transportar a bola, na tentativa de quebrar as linhas de pressão adversárias, e de a distribuir para os médios mais criativos, ou seja, uma espécie de N’Golo Kanté, mas alto e com 20 quilos a mais.

Apesar de ainda precisar de melhorar quando tem a posse da bola, McKennie é já um jogador tremendamente completo, especialmente para a sua idade. No entanto, seria interessante se fosse capaz de desenvolver um bom remate exterior dando, assim, outra dimensão ao jogo ofensivo do Schalke 04.

Com a saída de Leon Goretzka para o Bayern, antevê-se que o americano seja capaz de cimentar a sua titularidade na equipa de Domenico Tedesco.

McKennie renovou o contrato até 2022.

 

Dennis Geiger, 20 anos (TSG 1899 Hoffenheim)

Após a saída de Sebastian Rudy para o Bayern, a orquestra de Julian Naggelsman ficou sem o seu maestro, aquele que controlava a velocidade de jogo, que jogava e dava a jogar, como seria possível suprimir esta perda? Eis que aparece Dennis Geiger (i.e., “Geiger” significa violinista na língua alemã).

No clube desde os 11 anos, Geiger já tem bastante experiência a trabalhar com o wonder manager e no seu sistema – juntos ganharam o campeonato regional de sub-19, com Geiger a desempenhar o papel que, no futuro, seria de Rudy – e foi esta experiência que fez com que o jovem alemão aterrasse de pé no principal escalão do futebol alemão, acabando por não afetar o estilo e qualidade de jogo do Hoffenheim.

Para se ser bem-sucedido a jogar em posições mais recuadas no meio-campo é necessário que os jogadores tenham boa capacidade técnica, bom posicionamento e capacidade de cobrir grandes quantidades do terreno de jogo, e Geiger tem todos esses atributos para dar e vender. Excelente a passar a bola, com 88% dos seus passes a encontrar um companheiro de equipa, é a sua inteligência tática que se revela acima da média, especialmente para um jogador tão jovem, “Ele mostra-se confortável com a bola e tem a agressividade necessária, não tem medo de fazer faltas táticas” disse Naggelsman depois de uma vitória sobre o Schalke 04. A sua calma e compostura estiveram à mostra nos jogos contra os maiores clubes alemães, foi nessas alturas que Geiger conseguiu elevar a sua qualidade de jogo na base do meio campo, com duas vitórias em três jogos contra Leverkusen, Schalke e RB Leipzig.

Apesar de todas as suas qualidades, Geiger desaponta quando se olha para os cartões que recebeu, principalmente no início da época, tendo recebido 7 cartões amarelos nos seus primeiros 9 jogos, no entanto acabou por melhorar recebendo apenas 2 nos seguintes 10 jogos. A sua capacidade atlética deixa algo a desejar, mas com as suas qualidades técnicas não vejo isto como um problema que não possa ser ultrapassado.

Uma lesão na coxa forçou o alemão a parar durante 7 meses, estando atualmente a fazer trabalho de recuperação, no entanto será de esperar que, assim que esteja recuperado, volte aos planos de Naggelsman.

Geiger continua a impressionar ao serviço do Hoffenheim.

 

Sandro Tonali, 18 anos (Brescia Calcio)

“O Tonali vai ser um grande jogador. Não quero fazer comparações, mas na dinâmica de jogo ele tem algo de especial, como o Pirlo”, foi assim que Roberto Boscaglia descreveu o seu jovem médio após um jogo e é assim que grande parte dos responsáveis de grandes clubes italianos descrevem Sandro Tonali.

Tonali começou a sua formação no Piacenza, mas com a falência do clube em 2012, o jogador viu-se obrigado a procurar uma outra casa e foi em Brescia que a encontrou. Reconhecendo o seu talento, os treinadores dos escalões de formação do Brescia decidiram mudá-lo de posição, com o jogador a sair dos terrenos mais avançados, onde jogava a segundo avançado ou a 10, para a posição de pivô à frente da defesa. De facto, este é mais um aspeto que podemos usar quando comparamos o jovem médio ao Maestro, com o último a ser mudado para posições mais recuadas no campo aquando da chegada de Roberto Baggio ao Brescia, em 2000.

Toda a sua formação foi feita contra jogadores mais velhos, especialmente quando chegou ao último escalão de juniores com apenas 16 anos, mas isso não o impediu de impressionar e estreou-se ao nível profissional no final de 2017, num jogo contra o Avellino, numa época que acabaria com o jovem a fazer 19 jogos e criando 2 golos e 2 assistências. No final dessa época foi também coroado vice-campeão europeu de sub-19, numa final que a Itália perdeu 3-4 frente a Portugal, e incluído no melhor 11 do torneio.

A sua qualidade é demonstrada quando tem a bola nos pés, sendo capaz ou de um passe curto e rápido ao primeiro toque ou de levantar a cabeça e libertar um jogador a uns bons 30 metros de distância, expondo a sua técnica e visão de jogo. Ao contrário de Pirlo, e com as novas necessidades do futebol moderno, Tonali é bastante apto a pressionar adversários, não tem medo do confronto físico e recupera bastantes bolas através de interceções de passes.

A falta de experiência é mesmo o seu maior problema e com os grandes do futebol europeu já atrás do jogador, a Juventus já o tem referenciado e existe uma suposta proposta de 20 milhões do Chelsea em cima da mesa, seria uma pena ver este jogador a acabar como um simples reserva ou jogador de rotação, algo que aconteceu com Pirlo quando este estava no Inter de Milão. Não obstante e se tudo correr bem, Tonali terá certamente um grande futuro pela frente.

As semelhanças entre Tonali e Pirlo são evidentes.

 

Menções Honrosas: Brandon Baiye (Club Brugge), Florentino Luís (SL Benfica), Cláudio Gomes (Manchester City FC)

 

%d bloggers like this: